top of page

Transtorno Obsessivo Compulsivo na Visão Espírita


Por Sthephannie Silva

 

O Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) é uma condição mental que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Ele se caracteriza por pensamentos intrusivos e indesejados, conhecidos como obsessões, que levam a comportamentos repetitivos e rituais, chamados de compulsões. Este transtorno pode ser abordado tanto do ponto de vista espírita quanto da medicina convencional, oferecendo perspectivas complementares sobre suas causas e tratamentos. A visão espírita sobre o TOC está relacionada à crença na reencarnação e na influência de vidas passadas sobre o presente.


De acordo com o Espiritismo, as obsessões podem ser causadas por espíritos desencarnados que ainda possuem ligações emocionais com a pessoa afetada. Neste contexto, o tratamento envolve a ajuda de médiuns e a busca pela evolução espiritual, visando a libertação dessas influências.


Na questão 456 de O Livro dos Espíritos, é ensinado que os espíritos desencarnados têm a capacidade de observar todas as nossas ações, desde que estejam atentos, e que, de fato, constantemente nos cercam.

- 456. Veem os espíritos tudo o que fazemos?

- Podem ver, pois que constantemente vos rodeiam. Cada um, porém, só vê aquilo a que dá atenção. Não se ocupam com o que lhes é indiferente. (KARDEC, 2022, p. 194).

Na questão 457, destaca-se que estes espíritos têm conhecimento dos nossos pensamentos mais íntimos e de nossos atos, sendo comum nos sentirmos acompanhados por uma multidão deles quando nos encontramos sozinhos.


- 457. Podem os espíritos conhecer os nossos mais secretos pensamentos?

- Muitas vezes chegam a conhecer o que desejaríeis ocultar de vós mesmos. Nem atos, nem pensamentos se lhes podem dissimular.”


- 457-a) Assim, mais fácil nos seria ocultar de uma pessoa viva qualquer coisa, do que a esconder dessa mesma pessoa depois de morta?

- Certamente. Quando vos julgais muito ocultos, é comum terdes ao vosso lado uma multidão de espíritos que vos observam.” (KARDEC, 2022, p. 194).


A questão 459 amplia essa compreensão ao afirmar que os espíritos exercem influência sobre nossos pensamentos e ações com maior frequência do que imaginamos, muitas vezes assumindo a direção de nossas escolhas.

- 459. Influem os espíritos em nossos pensamentos e em nossos atos?

- Muito mais do que imaginais. Influem a tal ponto que, de ordinário, são eles que vos dirigem. (KARDEC, 2022, p. 194-195).


Por fim, na questão 460, é confirmado que frequentemente sofremos influência simultânea dos pensamentos dos espíritos, que podem ser contraditórios entre si, incluindo pensamentos de bem e mal, misturando-se aos nossos próprios pensamentos.


- 460. De par com os pensamentos que nos são próprios, outros haverá que nos sejam sugeridos?

- Vossa alma é um espírito que pensa. Não ignorais que, frequentemente, muitos pensamentos vos acodem a um tempo sobre o mesmo assunto e, não raro, contrários uns aos outros. Pois bem! No conjunto deles, estão sempre de mistura os vossos com os nossos. Daí a incerteza em que vos vedes. É que tendes em vós duas ideias a se combaterem. (KARDEC, 2022, p. 195).


Por outro lado, a medicina convencional aborda o TOC como uma condição neurobiológica. Estudos demonstram que desequilíbrios químicos no cérebro, especialmente relacionados à serotonina, desempenham um papel fundamental no desenvolvimento do TOC. Os tratamentos médicos incluem terapia cognitivo-comportamental e medicamentos para regular os neurotransmissores. Ambas as perspectivas, a espírita e a médica, podem coexistir na busca de soluções para o TOC. A abordagem espiritual pode oferecer apoio emocional e conforto, enquanto a medicina proporciona tratamentos baseados em evidências científicas. A escolha entre essas abordagens deve ser individualizada e respeitar as crenças e preferências do paciente.


A mensagem de Joanna de Angelis, psicografada por Divaldo Franco no livro “Triunfo Pessoal”, destaca que as fixações perversas e desequilíbrios fundamentais da personalidade residem no mundo íntimo e no inconsciente pessoal. Estes padrões, enraizados desde estágios iniciais do desenvolvimento, persistem ao longo da fase da razão, resultando em distúrbios que ressurgem na consciência presente. Esta ressonância do passado pode desestruturar não apenas a saúde física, mas também a saúde psicológica e emocional. A compreensão e a superação dessas fixações são essenciais para alcançar um triunfo pessoal, promovendo a harmonia e o equilíbrio integral do ser.


É neste mundo íntimo, no inconsciente pessoal, que se encontram as fixações perversas e desvairadas do primarismo do ser, que permanece durante o período da razão, gerando distúrbios que reaparecem na consciência atual, desestruturando os equipamentos da saúde física, psíquica e, especialmente, da emocional (FRANCO, Divaldo Pereira,2013, p.84).


Quando se é portador de pensamento compulsivo, a consciência torna-se invadida por representações mentais involuntárias, repetitivas e incontroláveis, variando de paciente para paciente. Trata-se de ideias desagradáveis umas, repugnantes outras, que infelicitam, e o enfermo não dispõe de meios lúcidos para as enfrentar, superando-as. Trata-se de um objetivo defensivo do inconsciente pessoal, impedindo que o doente tome conhecimento da sua realidade interior, dos seus legítimos impulsos e emoções. Fixam-se lhe pensamentos repetitivos, alguns ridículos, mas dos quais o enfermo não se consegue libertar. Outras vezes, manifestam-se em forma de dúvidas inquietantes, que desequilibram o comportamento. A atividade compulsiva apresenta-se como incoercível necessidade de ações repetidas. Desde o simples ato de traçar linhas e desenhos em papel, enquanto conversa ou não, em contar lâmpadas ou cadeiras num auditório, que parecem sem sentido, mas não se consegue ser evitados, incidindo-se sempre na mesma atividade. Podem variar para fórmulas, rituais, cerimônias, como atavismos ancestrais, em imagens arquetípicas perturbadoras que se refletem no comportamento atual (FRANCO, Divaldo Pereira,2013, p.85).


Em suma, o Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) é uma complexa condição mental que impacta milhões globalmente. Sua abordagem integrativa, considerando tanto a visão espírita quanto a perspectiva médica, oferece uma compreensão abrangente das possíveis causas e tratamentos.


No âmbito espírita, a influência de espíritos desencarnados é considerada, enfatizando a importância da Evolução Espiritual para a libertação dessas influências. É importante destacar que o TOC é uma condição séria que pode afetar significativamente a qualidade de vida das pessoas. Independentemente da perspectiva adotada, buscar ajuda profissional é fundamental para entender a causa do transtorno e encontrar o melhor tratamento possível. A combinação de tratamentos médicos e apoio espiritual pode ser uma abordagem eficaz para ajudar as pessoas a lidar com o TOC e melhorar sua saúde mental.

 

 

Referências

1- KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. Campos dos Goytacazes/RJ: Letra Espírita, 2022.

2- FRANCO, Divaldo Pereira. Triunfo Pessoal. 7. ed. /pelo Espírito Joanna de Ângelis [psicografado por] Divaldo Pereira Franco. Salvador: LEAL, 2013. (Série Psicológica, volume 12)

201 visualizações

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page